Estreando à frente do Public Image Ltd. com o disco First issue (1978), John Lydon abria os trabalhos com muita raiva. O ex-vocalista dos Sex Pistols espalhava brasa para o ex-empresário Malcolm McLaren (na faixa Public image, primeiro single do álbum), para o ex-amigo Sid Vicious (na vidinha medíocre de Low life), para religiões institucionalizadas (em Religion, de duas partes). E ia por aí.

Há 40 anos, o primeiro clipe do Public Image Ltd.

Public image, a canção, também dava espetadas básicas na imprensa, já que Lydon acreditava que, com a permissão de Malcolm (e da própria banda, vá lá), os Sex Pistols tinham sido mais explorados como assunto de jornal popularesco do que como banda de rock.

“Eles nunca se deram ao trabalho de ouvir o que eu estava cantando, eles nem sabem as palavras das minhas músicas. Eles nunca quiseram ouvir, era: ‘Aqui está uma música, escreva algumas palavras para ela’. E fiz. Eles nunca questionaram isso. Eu achei ofensivo, isso significava que eu estava literalmente perdendo meu tempo”, chegou a afirmar num papo com a Melody Maker.

Nesse papo aí de cima, Lydon anunciava que tinha montado uma nova banda e queria Malcolm McLaren longe. “Se tiver alguém aí interessado em trabalhar comigo, vai ser legal”, disse. Também negou que o primeiro disco de sua próxima banda (First issue, enfim) seria um álbum de reggae. E disse que pretendia resolver seus problemas com Malcolm “matando” – o vocalista se sentia prejudicado pelo ex-empresário. Evidente que ninguém matou ninguém.

E aí em cima, você confere o clipe de Public image, produzido por Peter Clifton e dirigido por Don Letts. Foi feito por Clifton pouco depois de ele fazer Punk rock movie. Clifton arrumou um teatro em Fulham, pôs sacos de lixo como cenário no fundo e botou a banda para tocar. Lydon costumava dizer que a Virgin, que contratara a banda, não estava muito interessada no clipe, e que a banda precisou pagar por tudo fora do contrato, já que partiu do próprio PiL convidar produtor e diretor. Mas Richard Branson até foi lá vistoriar as gravações.

“Antes da promo do PiL, eu era Don Letts, DJ no The Roxy, com uma câmera. De repente eu me vi com uma equipe de filmagem e uma câmera de 16 mm”, escreveu Letts no livro Culture clash – Dread meets punk rockers. “O vídeo se adequou ao humor do PiL, totalmente anti-celebridade. Eles apareciam tocando num lugar pouco iluminado. Já que era a banda de John, ingenuamente decidi que as pessoas só queriam vê-lo – devido à minha total inexperiência”.