G'Olé!: lembra que tinha um filme oficial da Copa de 1982?Você está preocupado como desempenho do Brasil na Copa de 2018? Nem queira saber como a nação se sentiu na Copa de 1982, após um jogador italiano chamado Paolo Rossi aparecer do nada, meter três gols na seleção brasileira e sacramentar a derrota do Brasil na competição da Espanha.

O prestígio de Paolo na torcida italiana era duvidoso. Pouco antes, tinha pego uma baita suspensão, após ser acusado de envolvimento em esquemas de corrupção na loteria esportiva local. Antes da convocação para a Copa, jogava no Juventus, onde começara a carreira, e tentava manter a forma. Não parecia que iria virar o carrasco do Brasil naquele campeonato. E que sua atuação em campo daria início a discussões intermináveis sobre a competência daquela montoeira de craques da seleção brasileira.

Se vale a pena lembrar disso ou não a essa altura, você decide. Segue aí um documentário que fizeram sobre o que se tornou conhecido como A tragédia do Sarriá, já que o Brasil x Itália foi disputado no estádio multiuso Sarriá, em Barcelona. O local foi fechado e demolido em 1997.

Agora, caso você esteja com vontade de, aham, se aprofundar no assunto, rola por aí G’Olé!, filme oficial da Copa de 1982, dirigido por Tom Clegg, com narração original de Sean Connery. O filme não está no YouTube – tem uns trechos que aparecem lá às vezes mas logo são tirados. Mas pode ser visto aqui, num genérico chamado Veoh, na sua dublagem italiana. Curta enquanto é tempo. Tem aparições da seleção brasileira em vários momentos.

G'Olé!: lembra que tinha um filme oficial da Copa de 1982?

Aprofundar, na verdade, é maneira de falar. G’Olé! não proporciona exatamente uma visão crítica sobre a competição e sobre os desempenhos dos países. Serve mais como documento de época. Há muitas cenas da, digamos, euforia provocada pela Copa do Mundo, com torcedores animados àààààà beça e carnaval nas arquibancadas. Agora, para quem curte rock e música em geral, uma informação interessante é que a trilha sonora do filme foi feita por ninguém menos que o ex-tecladista do Yes, Rick Wakeman. Olha aí o disco da trilha.

Nos anos 1980, já longe do Yes, Wakeman vinha retomando a carreira solo, a partir de um contrato com o selo Charisma, e lançava uma série de novos álbuns. Passou a alternar discos de carreira com trilhas sonoras, e foi nessa que fez as músicas de G’Olé! – que saiu até no Brasil.

Via Football and Music