Nos anos 1980, não havia Instagram (é mesmo?), ou blogueiras, ou reality shows (sério?) nem nada disso. O segmento masculino (e parte do feminino, claro) torcia para que modelos, atrizes e mulheres que apareciam de uma hora para outra na mídia resolvessem posar nuas na Playboy. Ela ainda estava todo mês nas bancas, vendia como água e punha na capa um monte de meninas reveladas por concursos de beleza do Rio e de São Paulo. Além de pagar cachês altos para modelos e atrizes que despontavam na mídia.

Garota da Capa: o mundo de Playboy no horário nobre da Globo, em 1988

Em outubro de 1988, quando isso ainda era uma realidade, a Rede Globo levou ao ar um especial chamado Garota da capa, dirigido por Walter Avancini. Unindo reportagem e ficção, o programa dava a entender que o Documento Especial, documentário apresentado semanalmente pela Rede Manchete naquela época, dava uma incomodada enorme na maior estação de TV da América Latina. Pela primeira vez – e em entrevistas conduzidas por Liliana Rodriguez e Fernanda Esteves – modelos e participantes de concursos de beleza abriam o jogo sobre assédios, cantadas que recebiam de contratantes e roubadas da profissão.

Em Garota da capa, enquanto se desenrolava uma história bizarra sobre uma modelo perseguida por um marido ciumento, belas apareciam em nu frontal (chocaria muita gente hoje, pelos mais variados motivos, e em 1988 não era comum) e rolava um concurso de beleza montado especialmente para o programa, com o mesmo nome.

O tal concurso Garota da capa foi gravado na boate Columbus, que funcionava em Copacabana, era apresentado por César Filho e, no júri, tinha lendas (então) vivas como Guilherme Araújo e Zózimo Barroso do Amaral. Desfilando para ganhar o título de mentirinha, Josi Campos (modelo que apareceu na capa da Playboy e, muitos anos depois, foi diagnosticada como esquizofrênica), Andréa Veiga (então ex-paquita do Xou da Xuxa), Malu Bailo (que na década seguinte ficaria famosa como atriz e como protagonista de shows de strip tease) e outras.

Nos tais bate-papos, uma das modelos lembra ter sido ameaçada após se recusar a se prostituir numa festa. O mitológico Zózimo fala sobre os caminhos que levam uma pessoa a estar nas colunas sociais – e revela que estar ao lado da companhia certa sempre ajuda. Outros profissionais, como os fotógrafos Antonio Guerreiro e J. R. Duran, entregavam vários métodos de trabalho e engana-trouxa do mercado.

Garota da Capa: o mundo de Playboy no horário nobre da Globo, em 1988
O especial da Globo foi capa do Segundo Caderno

Em boa parte dos depoimentos, o tema da prostituição aparecia à espreita. O coreógrafo Zé Reynaldo, onipresente em concursos de beleza, reclamava já ter sido até confundido com agenciador de garotas. “Já acharam que eu era cafetão! Logo eu. Nem é minha cara!”, disse.

Já para quem quiser ficar chocado (a) no estilo “meu Deeeus, como o mundo era machistaaaa!”, há depoimentos bem mais incisivos em relação ao sexismo no mercado do nu nos anos 1980. Inclusive envolvendo desfiles de moda no Mato Grosso (“a capital da moda no Brasil é lá, essas meninas vivem indo lá fazer desfile”, conta um produtor) e assédio de fazendeiros, numa época em que “bancada do boi” ainda era um trem no fim do túnel.