Connect with us

Artes

A arte visual perturbadora de Esteban Diacono

Published

on

Esteban Diacono

O artista visual argentino Esteban Diacono gosta de confundir olhares. Mais: em seus trabalhos, gosta de transformar o corpo humano numa massa disforme que pode tanto encantar quanto perturbar. Em alguns casos, os corpos que ele retrata em quatro dimensões podem chegar a realizar, na arte dele, movimentos que nem se imaginaria um corpo fazendo.

“Sempre fiquei fascinado por muitas coisas. Obviamente, o movimento humano é um elemento principal nessas peças, mas o que mais me atrai hoje é um desejo de produzir conteúdo interessante e desafiador”, contou à Vice.

Nesse aí de baixo, o corpo do cara vai derretendo e virando uma espécie de parangolé. E como diz um comentarista do Instagram, “pelo menos a gente não vê o pinto do sujeito”

https://www.instagram.com/p/Ba2XDHCB7Fu

O corpo de um cara vai sendo transformado até virar uma espécie de garatuja.

https://www.instagram.com/p/Ba_jjPQhUMl

Transformado num busto, um cara leva um soco e comporta-se como se fosse feito de borracha.

https://www.instagram.com/p/BaWd_5EBaOs

O monstrengo abaixo foi definido como “disgusting” e causador de Tripofobia nas pessoas.

https://www.instagram.com/p/BZ4DjaJBLSx

Essa arte, feita para uma espécie de “semana de moda”, parece mais uma modelo fantasiada de Priscila, da TV Colosso.

https://www.instagram.com/p/BY1zVLnBE4Y/

Vários homens-borracha meio brigando, meio dançando.

https://www.instagram.com/p/BWcJ137hJFj/

Nada recomendável MESMO para quem tem tripofobia.

https://www.instagram.com/p/BSg2ZbjglNO

Para causar medo em criancinhas (e em adultinhos).

https://www.instagram.com/p/BSNJ0XQg57-

Ricardo Schott é jornalista, radialista, editor e principal colaborador do POP FANTASMA.

Continue Reading

Artes

Frank Kozik, criador de capas de discos e pôsteres, morre aos 61

Published

on

Frank Kozik, criador de capas de discos e pôsteres, morre aos 61

Frank Kozik, um dos mais criativos artistas gráficos e criadores de capas de discos dos últimos 30 anos, morreu no sábado, de causas não-reveladas, aos 61 anos, na Califórnia. Nascido na Espanha e radicado nos Estados Unidos, filho de norte-americano e espanhola, Kozik fez artes para bandas como Queens Of The Stone Age (o primeiro disco, de 1998, epônimo), Melvins (Houdini), Offspring (Americana), e ainda criou pôsteres de turnê para Nirvana, Sonic Youth, White Stripes, Butthole Surfers e outros grupos.

“Frank era um homem maior do que ele mesmo, um ícone em cada gênero em que trabalhou”, diz uma declaração compartilhada pela esposa de Kozik, Sharon. “Ele mudou drasticamente a indústria da qual fazia parte. Ele era uma força criativa da natureza. Estamos muito além de sortudos e honrados por fazer parte de sua jornada, e ele fará falta além do que as palavras poderiam expressar”. Ele costumava atribuir muito do seu trabalho artístico ao fato de ter “um senso de humor sombrio” e a ter crescido no meio do punk rock.

Kozik começou a fazer pôsteres enquanto morava em Austin, Texas, no início dos anos 1980 e chegou a trabalhar com publicidade antes das capas de discos, Também foi dono de uma gravadora, a Man’s Ruin Records, e foi diretor criativo da Kidrobot, a empresa de brinquedos artísticos de edição limitada. Dirigiu também um clipe do Soundgarden, Pretty noose.

Continue Reading

Artes

E se a capa “da raquete” do disco Houses Of The Holy, do Led Zeppelin, tivesse sido feita?

Published

on

E se a capa "da raquete" do disco Houses Of The Holy, do Led Zeppelin, tivesse sido feita?

Se você ouviu o episódio mais recente do nosso podcast, o Pop Fantasma Documento, sobre o Led Zeppelin no ano de 1972 (não ouviu? tá aqui), deve lembrar que em 1972, o grupo estava elaborando o disco Houses of the holy, que acabou sendo lançado só um ano depois. E que antes daquela capa com as crianças ficar pronta, Storm Thorgerson, da empresa Hipgnosis, havia sugerido a eles uma capa “com uma quadra de tênis verde e uma raquete” – que Jimmy Page odiou.

Aparentemente essa capa rejeitada (rejeitadíssima, Page ficou p… da vida com a sugestão e mandou o designer sumir da frente dele) nunca tinha sido desenhada. Pelo menos até agora. A Aline Haluch, que faz as artes do Pop Fantasma Documento e do Acervo Pop Fantasma, fez três versões da ideia original de Storm para Houses of the holy. Mais do que uma brincadeira com a história, fica aqui como homenagem a esse designer morto em 2013, e que revolucionou as capas de discos.

“A ideia foi fazer aquelas brincadeiras das capas do Pink Floyd, como a do cara cheio de lâmpadas no disco ao vivo A momentary lapse of reason (de 1988, feita pelo mesmo Storm Thorgerson). Quis brincar com as sobreposições das redes, mas são redes de aço, aquelas de cadeia. Um pouco como se fosse um condomínio, já que tênis é um jogo da elite, cercada de proteção”, conta. “Na segunda capa, a própria raquete é de grama. E na terceira, tem um céu, meio que para brincar com a paisagem da capa do disco Atom heart mother, também do Pink Floyd (1970, com capa também de Storm)“.

A que a gente mais gostou (a do céu), ganhou a faixinha branca com o nome do disco e da banda, que vinha envolvendo a capa do LP original. 🙂

E se a capa "da raquete" do disco Houses Of The Holy, do Led Zeppelin, tivesse sido feita?

E se a capa "da raquete" do disco Houses Of The Holy, do Led Zeppelin, tivesse sido feita?

E se a capa "da raquete" do disco Houses Of The Holy, do Led Zeppelin, tivesse sido feita?

E se a capa "da raquete" do disco Houses Of The Holy, do Led Zeppelin, tivesse sido feita?

Continue Reading

Artes

Aquela vez em que Elifas Andreato começou a fazer capas de discos

Published

on

“Em 2009, os jornalistas Marcos Lauro e Peu Araújo entrevistaram o artista plástico Elifas Andreato para uma matéria sobre capas de discos. A ideia era falar com capistas profissionais e amadores sobre as mudanças de formato que a internet impunha – do tamanho do vinil ao thumbnail da rede mundial. Players como Spotify já existiam, mas ainda não eram populares como hoje. A matéria nunca saiu, isso acontece. Mas um trecho do material guardado está aqui em homenagem a Elifas Andreato, que nos deixou no dia 29 de março aos 76 anos. Vida eterna ao artista e sua imensa obra”.

Logo depois que Elifas morreu, o radialista, jornalista e podcaster Marcos Lauro subiu no YouTube esse bate-papo dele e de Peu com o capista. A conversa é curtinha mas cheia de detalhes a respeito de como Elifas entrou no mundo das capas de discos – ele trabalhava na editora Abril Cultural em 1970 e acabou fazendo as capas da série História da Música Popular Brasileira, com discos vendidos em bancas de jornal. O trabalho gráfico foi considerado inovador para a época, “e a ideia era interpretar cada personagem de uma maneira”, conta. Foi a partir daí que Elifas conheceu vários artistas e se envolveu com o trabalho nas capas de discos. Partiu direto para a produção de uma capa de Paulinho da Viola – a do disco Foi um rio que passou em minha vida, em 1970, mas ainda apenas usando uma foto do cantor, sem desenhos.

Confira o bate-papo aí.

Continue Reading
Advertisement
Lançamentos6 horas ago

Fresno: música nova, “Eu nunca fui embora”, começou a ser feita no Twitch

Lançamentos6 horas ago

Roliman: projeto de Carlos Pinduca abraça o som surfístico em “Feels like surfin'”

Ouvimos: Chico Buarque, "Que tal um samba? - ao vivo"
Lançamentos6 horas ago

Ouvimos: Chico Buarque, “Que tal um samba? – ao vivo”

Guilherme Lamounier: single resgata versão soul-progressiva de canção dos Beatles
Lançamentos19 horas ago

Guilherme Lamounier: single resgata versão soul-progressiva de canção dos Beatles

Erasmo Carlos: single "tropicalista" com Gaby Amarantos serve de batedor para álbum p´stumo
Lançamentos19 horas ago

Erasmo Carlos: single “tropicalista” com Gaby Amarantos serve de batedor para álbum póstumo

Lançamentos19 horas ago

Alan James: single novo, “Sobrevivo”, com melodia pra cima e letra introspectiva

Terrapeixe: "virada de jogo" no single e no clipe de "Game over"
Lançamentos19 horas ago

Terrapeixe: “virada de jogo” no single e no clipe de “Game over”

Ouvimos: Nation Of Language, "Strange disciple"
Crítica19 horas ago

Ouvimos: Nation Of Language, “Strange disciple”

"O pop é punk vol 2: 70's": disco traz clássicos da MPB setentista em estilo punk
Lançamentos2 dias ago

“O pop é punk vol 2: 70’s”: disco traz clássicos da MPB setentista em estilo punk

The Vaccines: novos começos em novo single, "Lunar eclipse", e album
Lançamentos2 dias ago

The Vaccines: novos começos em novo single, “Lunar eclipse”, e album

Dennis & O Cão da Meia Noite encontra banda de ska, Innabrain, para reler clássico dos Paralamas
Lançamentos2 dias ago

Dennis & O Cão da Meia Noite encontra banda de ska, Innabrain, para reler clássico dos Paralamas

The Lautreamonts: trio pós-punk de Niterói (RJ) fala sobre crescer e florescer em "Photophobic sunflower"
Lançamentos2 dias ago

The Lautreamonts: trio pós-punk de Niterói (RJ) fala sobre crescer e florescer em “Photophobic sunflower”

Roberto Carlos: agradecimento aos fãs e lembranças em "Eu ofereço flores"
Cultura Pop2 dias ago

Roberto Carlos: agradecimento aos fãs e lembranças em “Eu ofereço flores”

Kiko Zambianchi: música nova, "Quero viver a vida", feita na pandemia
Lançamentos5 dias ago

Kiko Zambianchi: música nova, “Quero viver a vida”, feita na pandemia

Jurema Juice: banda de rock clássico de Alagoas com terceiro single, "Shield me"
Lançamentos5 dias ago

Jurema Juice: banda de rock clássico de Alagoas com terceiro single, “Shield me”

Pavilhão 9 se junta a Detonautas em "Fatos do Brasil"
Lançamentos5 dias ago

Pavilhão 9 se junta a Detonautas em “Fatos do Brasil”

Várias coisas que você já sabia sobre Electric Ladyland, de Jimi Hendrix
Cultura Pop5 dias ago

No nosso podcast, Jimi Hendrix e o disco “Electric ladyland”

Cat Power: disco ao vivo recria show em que Bob Dylan foi chamado de "Judas" por fãs de música folk
Crítica6 dias ago

Ouvimos: Cat Power, “Cat Power sings Dylan: The 1966 Royal Albert Hall Concert”

Trending