Por algum motivo qualquer, o Japão, país que tem poucos pruridos em relação a tabaco e álcool mas é bastante rigoroso em relação a outras drogas, deixou que os cogumelos psicodélicos fossem comprados legalmente por lá até junho de 2002. Era possível achar até camelôs vendendo os cogumelinhos na rua, em embalagens em que se lia coisas como “olhe mas não coma” – logicamente ninguém obedecia essa ordem.

Um texto do site Stippy recorda que, para ter uma ideia da política do país quanto a drogas, é só lembrar a resenha que deu a prisão de Paul McCartney com 219 gramas de maconha em 1980. Seja como for, o uso de psilocibina era toleraodo a ponto de, pouco antes da legalidade acabar, várias lojas que vendiam o produto penduraram cartazes avisando aos clientes que eles tinham até 6 de junho de 2002 para estocar o maior número de cogumelos possível.

A BBC anunciou assim a proibição: “O Japão está planejando proibir o uso de cogumelos mágicos, fechando uma lacuna legal que permitiu aos usuários relativa liberdade em um país famoso por suas rigorosas leis sobre drogas”, escreveram, acrescentando que sete anos de cana esperavam quem fosse pego com cogumelos. Ao que constava, o Ministério da Saúde andava alarmado com o fato de 38 pessoas terem sido hospitalizadas com overdose causada pelos fungos em 2000 – contra apenas uma pessoa em 1997.

E essa longa introdução é só para mostrar esse vídeo que um sujeito fez no Japão em 1997, mostrando uma banquinha vendendo cogumelos na rua (!).