Em 1974, Brian Eno era apenas um cara magricelo, que tinha iniciado uma carreira de cantor-compositor solo e produtor, recém-deixara o valoroso posto de tecladista do Roxy Music e – rapaz! – vangloriava-se de ter pego mais mulheres que o cantor do Roxy, Bryan Ferry. Se você não conhece nem mesmo o clássico disco Here come the Warm Jets, primeiro solo de Brian, lançado naquele ano, vá ouvir já. Volta aqui depois.

A demanda nessa época por, digamos, trabalhos artísticos de Brian Eno era tão grande que, conta-se, o músico posou como veio ao mundo para uma revista bem inusitada que chegara no mercado. Em outubro de 1973 uma das grandes novidades nas bancas era uma publicação chamada Viva, editada por Bob Guccione (Penthouse) e que entrava no ainda incipiente negócio de revistas liberais para mulheres – liderado pela Playgirl, da Playboy. Era, nas palavras de Guccione, uma publicação para a mulher “luxuriosa, real, infatigável, pé no chão, atraente, brilhante, sexy e intransigente” dos anos 1970.

Brian Eno peladão

Viva trazia resenhas, matérias sobre comportamento, sexualidade, feminismo e… fotos de homens em poses sensuais. Ou de casais dando aquela aproximada básica na cama. Olha aí em cima algumas capas da revista – que durou até 1980 nas bancas.

A tal história de que Brian Eno teria posado peladão para a Viva foi lembrada tem um tempinho pelo próprio músico, em sua conta no Twitter. E é uma história mais enrolada e cheia de furos do que se pode imaginar.

Primeiro porque essas fotos sequer foram publicadas na revista. O que se sabe do assunto é basicamente esse artigo que Brian compartilhou aí em cima, e que saiu na Creem de dezembro de 1974, e que foi escrito por Kathy Miller. Eno: Nu e neurótico dá conta de que Brian foi ser entrevistado para a publicação e Simon Puxley, assessor de imprensa dele, sugeriu que seu pupilo fizesse “fotos de teste ” para a revista. O único problema é que Eno não queria fazer fotos sem roupa com um fotógrafo homem. “Não poderia fazer isso, seria muito embaraçoso”, disse, antes de completar que, mesmo assim, milhares de pessoas já o tinham visto peladão.

Aqui você confere o artigo todo em inglês. Para as fãs de Eno vão aí algumas ideias do que poderiam ter sido as tais fotos: 1) Puxley deixou claro que a Viva não queria mostrar as partes pudendas do músico; 2) Eno teria sido clicado tocando um copo de vinho branco “decadentemente” e “chamando uma garota ao telefone enquanto estava nua”; 3) Declarou coisas como “estou muito satisfeito comigo mesmo… Exceto pelos meus joelhos. Eles não vão me rejeitar por meus joelhos, vão? Sim, meus joelhos e meus pés. Eu odeio meus pés”.

No final, Eno preferiu deixar as fotos pra lá e ainda teria dito ao fotógrafo que “se essas imagens chegarem em uma revista gay, vou quebrar os seus óculos!”.

“Nossa, eu estava doida (o) para ver Brian Eno pelado, não acredito que perdi meu tempo lendo isso”. Foi mal. Já que você chegou até aqui, pega aí Floating in sequence, piratão de Eno feito com gravações da BBC.