Arcade attack, o filme que você vai ver aqui, mostra que a tecnologia e suas mudanças sempre representam problemas emocionais para muita gente. Imagina como não ficaram os fãs do vinil tendo que aturar aqueles yuppies sem coração que achavam, lá por 1990, que uma bolachinha prateada resolveria todos os seus problemas. E hoje, coloque-se no lugar daqueles seres humanos que, pressionados por hipsters fãs de vinil e música digital, ouvem frases como “você ainda compra CD?” ou “já que existe plataforma digital, não pretende vender isso tudo?”.

Em 1982, os fãs dos antigos jogos de pinball viam cada vez mais seus games preferidos sumindo dos antigos fliperamas e sendo substituídos pelas novas máquinas de vídeogame. Essa passagem forçada de bastão foi coberta pelo doc Arcade attack, dirigido por Mike Wallington, e lançado naquele ano. O filme tem trechos de animação feitos por uma dupla que trabalhou no filme The great rock´n roll swindle, do Sex Pistols: Phil Austin e Derek W. Hayes.

O filme é um documentário que, ao começar, ganha ares bem esquisitos. Logo na abertura, tem uma cena com várias máquinas de fliperama, e um boneco de ventríloquo dando uma risada, er, assustadora. Seria uma maneira de mostrar que os fãs dos antigos jogos de arcade, ligados aos veteranos pinballs, iriam encarar pesadelos? Na sequência, somos apresentados a fãs e colecionadores das duas máquinas, mostrando as vantagens de ambos os sistemas. A trilha sonora também é bacana para quem curte sintetizadores e sons malucos. E muitas vezes serve de acompanhamento para sons e imagens bastante surreais. Curte aí. Legendas automáticas (boas) em inglês.