Em sua nona e penúltima temporada, a série “Love boat” (no Brasil, na Globo, passou com o nome de “O barco do amor”) trouxe algumas novidades. A primeira delas era que o tema de abertura não era mais cantado por Jack Jones, mas por Dionne Warwick.

A segunda é que no episódio 3 (de 12 de outubro de 1985), intitulado “Hidden treasure/Picture form the past/Ace’s salary”, quem participaria de uma aventura a bordo do Pacific Princess (o tal barco) seria ninguém menos que Andy Warhol. Olha o episódio inteiro aí.

No episódio, a turma celebra a viagem de número 200 do navio, e Warhol, que chega com uma entourage, vai oferecer a um passageiro a possibilidade de figurar em seu próximo retrato. A atriz Marion Ross interpreta uma ex-integrante da trupe de Warhol, que teme que o artista a reconheça e revele seu passado secreto – o que provocaria horror em seu marido conservador, interpretado por Tom Bosley.

Victor Bockris, em “Warhol: The biography”, lembra que o rei da pop-art, morto em fevreiro de 1987, vinha cuidando bastante da saúde com vários procedimentos (que iam de dermatologia a uso de cristais), e que chegou no “barco do amor” com visual mudado, usando suéter preto Brooks Brothers, tênis Reebok, colete L.L. Bean e outras peças. “Ele parecia uma mistura de Stephen Sprouse (designer fashion que trabalhou com nomes como Debbie Harry e o próprio Warhol) e Tina Turner”, disse o fotógrafo Christopher Makos. “O visual dele era como um statement e nada cairia mal. Seu úitlimo look era chique como nunca”.

O namoro do independente Warhol com Hollywood não durou muito – após o episódio ir ao ar, ele reclamou com um amigo que a meca do cinema era formada por “idiotas que não vendiam arte, fediam”.