Anarchic System e Pop Concerto Orchestra: o rock dos produtores de Richard ClaydermanPouco antes de escreverem a romântica Ballade pour Adeline e fazerem um pianista chamado Richard Clayderman estourar, os compositores e produtores franceses Olivier Toussaint e Paul de Senneville estavam mais envolvidos com rock. Na real, com uma espécie de (tirei essa definição de um site francês que não me recordo mais qual é) yin e yang do rock. Os dois produziam, compunham e cuidavam de modo geral do Anarchic System, essa turma aí de cima que mais parece um Steppenwolf falando com biquinho. E da Pop Concerto Orchestra, que fez bastante sucesso não apenas na França como em vários outros países.

Até mesmo no Brasil. Olha eles aí na trilha sonora da novela O primeiro amor, de 1972, com Pop Concerto show.

Erlon Chaves fez uma versão dessa música e juntou com Summer holiday, do brazucão Terry Winter.

Teve essa aqui também, Hey Hey.

O Anarchic System, apesar da pose toda da foto ali de cima, estava mais para uma mescla de power pop com Creedence Clearwater Revival. Em 1975 marcaram época, na França, com uma música de 19 minutos, Generation. Ouve aí.

Se bem que o primeiro hit dessa turma, assim que começaram a trabalhar com Senneville, foi… uma versão nova de Popcorn, de Gershon Kingsley, lançada em 1972. Você já andou lendo sobre Gershon e sobre Popcorn aqui no POP FANTASMA.

Além dessa versão, tinha mais. Carmen Brasilia, música deles lançada em 1973 era, tipo assim, BASTANTE parecida com Popcorn. Isso foi pouco antes do Anarchic System assumir sua faceta mais (opa) anárquica.

Em 1975, Senneville e Toussaint juntaram essa turma toda (Pop Concerto e Anarchic System) na trilha do filme Un linceul n’a pas de poches, de J.P. Mocky. Levaram junto um best seller da produtora da dupla, o trompetista Jean Claude Borelly, que naquele ano bateu recordes de vendagem com Dolannes melodie, incluída em várias versões no disco da trilha. A versão com flauta de pã (nossa!) entrou na trilha de Pecado capital (1975), da Rede Globo. Era usada em toda e qualquer cena romântica da novela. E é a música de vários casais que namoravam ensandecidamente por aqueles tempos.